Compartilhar:

A recente tragédia na escola do Realengo não só nos demonstra o problema da segurança nas escolas, mas, principalmente, a questão da gestão das relações entre os alunos, os professores e as famílias, no ambiente que forma os cidadãos do amanhã.

Nada mais apropriado do que uma educadora para fazer uma reflexão afetiva sobre as responsabilidades e as limitações da escola na formação da cultura de paz.

Fiquemos com o texto Coração de Estudante da mestre e doutoranda em educação Silmara Rascalha Casadei.

Corações de estudantes

Larissa, Samira, Bianca, Rafael, Luisa,… Nomes de alunas e alunos que vemos no nosso dia a dia escolar, jovenzinhos que trazem seus sorrisos marotos e sua vontade de acreditar em nós, professores e professoras.

Corações de estudantes…– Pode deixar que eu faço! – assim uns dizem quando pedimos alguma coisa.

– Foi mal, desculpa! – é outro se desculpando.

– Ai, prô, que prova hein!

– Quem não entendeu? – pergunta a professora.

– Eeu! – são mãos levantadas pedindo ajuda.

– Então, sentem-se com o amigo para aprenderem juntos que nós vamos revisar e prestem atenção na correção.

Prestem atenção na correção: este talvez seja o que precisamos fazer como adultos responsáveis. Somos responsáveis pela geração que aqui está. Governos, família, empresa, escola, ONGs, cientistas, escritores, artistas, músicos, terapeutas, comerciantes, donos de shoppings, fabricantes de armas, de remédios, homens, mulheres, padres, pastores, gurus, sim, somos responsáveis!

Uma geração cuida da outra até que seja capaz de ir por si mesma, é assim que sobrevive a espécie.

Cada espaço da sociedade e da natureza, cada canto de um lar pode ser mais recuperado para a diminuição da agressão em casa, do abandono, do vício, da fome, da pobreza, das enchentes, do analfabetismo funcional ou digital – e o uso educativo da tecnologia consciente, da doença, das extinções da fauna e da flora,  onde observamos a falta de perspectiva de vida.

Ana Carolina, Mariana, Laryssa,

Corações de estudantes…

Corações que não batem mais a tecla por onde soa a música da vida, vozes silenciadas em frente dos amigos, no sagrado lugar de aprender. Tem lugar mais divino que uma escola, onde o maior barulho que se ouve ocorre na hora  “recreio” com os gritinhos das crianças menores e as risadas gostosas dos jovens que soam como representações das vozes dos anjos de Deus?

Sou a favor da Escola Aberta, onde todos são acolhidos e contribuem para a formação de uma comunidade educativa.

Entretanto, sou a favor se do lado de fora de seus muros, governos responsáveis e todos os que podem contribuir fizerem sua parte em plena reorganização da recuperação das condições de vida para o exercício da cidadania.

Caso contrário, fechem a escola!

Por favor, não comecem a reorganização social abrindo os espaços da escola onde estão menores indefesos e seus professores. Coloquem detectores de metais, vidros resistentes anti-balas perdidas (que também são muitas em zonas de risco) e nos deixem trabalhar em paz. Ora, se somos revistados eletronicamente para entrarmos num banco, por que não nas escolas onde estão os indefesos?  Está na lei, a criança deve ser a primeira a ser defendida em casos de perigo. Pergunto: que perigo mais precisamos vivenciar?

Após, e só após, o lado de fora for arrumado, abriremos com alegria nossos portões às todas as pessoas. No momento, é o que podemos fazer: trabalharmos educativamente a escolarização de, em média, 1000 crianças e jovens por escola todos os dias da semana, fecundando o presente para a melhoria do futuro. Sinto, mas e Escola não tem como resolver os todos os problemas que estão postos no mundo. Ela é importantíssima, mas não onipotente.

Corações de Estudantes, corações da Gessica, Karine…

E para falar a verdade, estamos é precisando de ajuda daqueles que querem contribuir, como à mãe que quer ajudar na barraca solidária, o médico amigo que quer dar uma palestra, o empresário que quer propor um curso de formação para o primeiro emprego, o consultor pedagógico para os professores, o biólogo para a conscientização ambiental. Precisamos de ajuda até dos senhores donos de rede de televisão, que ao invés de perguntarem ao pai que perdeu uma filha sobre como ele está se sentindo, pergunte o que ele precisa. Talvez ouçam uma humilde sugestão que é a de reservarem cinco minutos de sua programação para apresentarem, todos os dias, em horários nobres, sem trégua, exemplos de pessoas que estão fazendo “o bem” em nosso país. Dirijo-me a vocês, pois bem sabemos que o que fizerem será “literalmente copiado pelos demais”. Ora, se emprestamos modelos americanos para assassinatos de crianças em massa nas escolas, via mídia, por que não podemos emprestar modelos de possibilidades brasileiras para um povo sofrido e alegre, solidário, mas já aflito por tantas mazelas socioambientais? Tenho a certeza de que ajudariam a constituir novos modelos sociais, afinal, no Brasil, compramos mais TV do que geladeiras e por isso dá para ensinar por ela.

Dona Dilma, nossa presidenta e mãe, que certeiramente interrompeu um discurso e nos emocionou para falar da morte dos nossos brasileirinhos. Por favor, não esqueça junto a sua equipe de que, em se tratando de governo, precisamos de condolências e de eficiências.

Corações de estudantes…Nossos amores sacrificados, nossas famílias em lágrimas…

A maioria das pessoas de nossa nação que é consciente sente como se esses estudantes fossem de suas próprias famílias, sente também, além da dor, o momento da prontidão para aprender a fazer a revisão e a correção desta prova difícil que é o de desenvolvermos em todos os setores desta sociedade uma cultura de paz, entendendo aqui as palavras revisão – no sentido de revermos a visão, correção- no sentido de corrermos para a ação e cultura de paz- no sentido de trabalharmos pelo bem de modo crítico e ativo e não omisso e passivo.

Fazemos parte de um todo entrelaçado e tenho a esperança de que um dia compreenderemos, finalmente, que nossa família vai além das fronteiras do nosso lar, pois ela é constituída pela humanidade inteira. Nossa casa vai além das fronteiras das paredes que a construíram, pois ela é feita com elementos de todo o planeta.

Mas, enquanto não aprendermos, façamos como os pais que responsavelmente fecham a porta da casa para protegerem todos que ali estão e protejamos nossas escolas.

Corações de estudantes…

Ponto final.

Silmara Rascalha Casadei é Mestra e Doutoranda em Educação: Currículo (PUCSP), autora de livros infanto-juvenis focados à solidariedade socioambiental e diretora de escola do ensino básico.

Compartilhar: